História do Ramen no Japão, a quintessência do Japão

história de sushi fácil do ramen por excelência do Japão e1623765934401

Esta semana, estamos trazendo a você uma viagem muito específica sobre os aspectos culturais e culinários do ramen no Japão, e o que o torna essencial.

Quando a comida japonesa vem à sua mente, há uma boa chance de você estar pensando em ramen. Todo mundo conhece este prato de macarrão favorito, graças à sua rica sopa e saboroso macarrão feito à mão. Curiosamente, no entanto, ramen nem sempre foi o alimento básico japonês que é hoje.

Uma breve história do ramen

O ramen é de origem chinesa. O nome foi originalmente usado para dois outros pratos, nomeadamente Chūka soba e Shina soba. Ambos se traduzem em “macarrão chinês”, mas com conotações diferentes. O Japão não cooptou o termo até o final do século 19, quando o país estava passando por uma revolução industrial. Como os trabalhadores (também chamados de “assalariados” na época) mal tinham tempo para preparar suas próprias refeições antes de sair para o trabalho, eles comiam em restaurantes de ramen.

Ao longo dos anos, o Japão inventou vários tipos de ramen, sendo a única diferença significativa o caldo, que varia de shio (salgado) a tonkotsu (caldo de porco). Já o macarrão ainda é feito de kansui, uma espécie de água alcalina local, que é o segredo de sua textura firme e cor amarela.

Ramen no Japão

Pode-se dizer que o Japão não tem escassez de restaurantes de ramen. Recentemente, os restaurantes evoluíram para redes multinacionais, entre as quais uma das mais notáveis é a Ichiran Ramen. Em todo o país, seu logotipo vermelho, preto e verde é imediatamente reconhecível. Ao ar livre, é ainda mais difícil de perder, pois geralmente vem com longas linhas que se estendem por calçadas inteiras. Outros restaurantes populares que se destacaram incluem o Tsuta com estrela Michelin, o Fu-unji único com seu molho parecido com molho e o popular Kikanbo. Apesar das muitas variações e toques modernos em termos de paladar, esses ramen ainda têm um denominador comum: tudo gira em torno da refeição.

Uma experiência solene de comida

Em restaurantes de ramen, você quase nunca nota uma decoração chamativa, letreiros de néon ou móveis chamativos. A maioria dos restaurantes é bastante simples: algumas cadeiras, uma cozinha aberta onde você pode sentar e ver sua comida sendo preparada e, geralmente, paredes monocromáticas. O contraste é gritante com a maioria dos estabelecimentos de alimentação modernos, cujos interiores imploram para serem postados no Instagram.

No Japão, a refeição é a experiência gastronômica por si só, e é uma experiência muito boa. Talvez isso se deva ao pendor pela arte de cozinhar e à preocupação em aperfeiçoar cada ingrediente. De qualquer forma, é uma estratégia que funciona e continua atraindo multidões. Mesmo online, os restaurantes de lámen locais não sentem a necessidade de fazer muito barulho. Basta dar uma olhada na página do Ichiran no Japão para ver que não há celebridades influentes ou campanhas de marketing elaboradas, apenas ramen, ponto final.

Japão e minimalismo

A cultura japonesa é muito apegada ao minimalismo, como atesta a extraordinária Marie Kondo, especialista em organização. Mas antes mesmo de seu popular livro virar show da Netflix se tornar viral, os japoneses já praticavam o minimalismo por anos. Se você já se perguntou por que os jardins Zen evocam essa sensação de tranquilidade, é porque eles são projetados com a intenção de eliminar as distrações e deixar espaço para a contemplação e a reflexão. Sem dúvida, essa mesma abordagem foi aplicada a restaurantes, embora a única coisa em que você pense é em como seu prato é excelente.

Uma mesa para uma pessoa

Outro aspecto importante dos restaurantes ramen (e restaurantes japoneses, em geral) é que eles atendem principalmente a clientes individuais e pequenos grupos. É diferente de outras culturas, onde comer é uma experiência incrivelmente social. Isso ocorre porque os restaurantes de ramen sempre foram voltados para funcionários japoneses, conhecidos por seu estilo de vida acelerado e voltado para o trabalho e, portanto, geralmente não têm tempo para sentar e desfrutar de uma refeição com os amigos. Os restaurantes de hoje ainda são projetados com privacidade e conforto em mente, por isso você notará que eles geralmente têm cabines privativas e divisórias entre os jantares para que você possa desfrutar do seu macarrão em paz.

Ramen no mundo

Não é apenas ramen no Japão. O ramen certamente conquistou corações (e estômagos) em todo o mundo, mas agora é expresso de maneiras diferentes. Em Nova York, por exemplo, você encontra restaurantes como o Tonchin, que mesclam design moderno e tradicional. Enquanto mantêm interiores escuros e minimalistas, padrões geométricos chiques e tons rosa sutis dão nova vida ao espaço.

Em outras partes da Ásia, alguns restaurantes estão tentando recriar a experiência autêntica do ramen. O Mendokoro Ramenba das Filipinas é uma escolha muito popular, que assume muitos aspectos tradicionais dos restaurantes de ramen, desde o número muito limitado de lugares à humildade de seu menu de apenas três opções diferentes. Assim como no Japão, a melhor forma de comercializar o ramen internacionalmente é encontrar os sabores certos. E na maioria das vezes, eles também são administrados por chefs de ramen japoneses, em vez de empresas que procuram lucrar com essa tigela de leite.

Pensamentos finais

Refinado ao longo dos anos, o ramen tornou-se mais do que apenas um prato: é uma experiência por si só. Não é apenas rico em sabores, mas também na história e cultura japonesas. Embora não seja originalmente do Japão, o ramen que conhecemos hoje é quintessencial do Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Easy Sushi®
Compartilhar isso

Site criado por tekly.fr